Total de visualizações de página

sábado, 12 de abril de 2014

LUIZ ANTONIO UM GRANDE GOLEIRO EM TEMPOS DIFICEIS


 Os principais quesitos para se tornar um grande goleiro são agilidade, elasticidade, reflexo, coragem e boa colocação. E essas virtudes sobravam em Luiz Antonio Toledo, que começou a carreira ainda garoto no Clube Atlético Nevense, teve uma passagem marcante pelo América de Rio Preto e defendeu o Cruzeiro de Belo Horizonte durante 11 anos.
Luiz Antonio chegou ao Cruzeiro com a dificilima missão de fazer a torcida esquecer ninguem menos do que Raul Plasman.  O ex goleiro da camisa amarela havia ido jogar pelo Flamego e a diretoria sabia que teria de trazer um goleiro que pelo menos amenizasse o sofrimento e a saudade da torcida cruzeirense. Luiz Antonio ganhou logo a confiança do torcedor com atuações brilhantes. 
O goleiro só não fez mais sucesso pois o Cruzeiro atravessava um mometo de renovação. Foram saindo os grandes idolos e era hora de contratar novos reforços . Assim  Ze Carlos foi para o Guarani, Piazza parou de jogar, Dirceu Lopes saiu para o Fluminense envolvido numa troca por Erivelto, mais algus anos e sairam Nelinho, Eduardo e Joãozinho. 

Luiz Antonio fez 240 jogos pelo Cruzeiro.



Luiz Antonio, Mariano, Flamarion , Marquinhos, Zezinho Figueroa e Berto Agachados: Junior Brasilia, Eduardo, Paulo Luciano, Erivelto e Joãozinho


Luiz Atonio com leão

Zezinho Figueroa, Nelinho, Nelio, Marquinhos, Mariano e Luiz Antonio . Agachados : Eduardo, Mauro, Roberto Cesar, Alexandre e Joãozinho


quinta-feira, 22 de agosto de 2013

MUSSULA - Um grande goleiro dos anos


Mussula inicou sua carreira no Cruzeiro. Ficou no clube de 1955 a 57 de onde se transferiu para o Atletico. No Galo fez sua estreia em um amistoso no dia 23 de Março de 1958 numa partida que terminou  5x4 para a equipe carioca. Porem sem muitas chances no Atletico foi para o Villa Nova . No  Leão do Bonfim atuou de 58 a 61 de onde retornou ao Cruzeiro. Passou depois rapidamente pelo Renascença e America até se transferir em 1968 para o Atlético onde se consagraria como um grande goleiro.

  Mussula faz uma linda defesa no clássico contra o Cruzeiro em 1968


No dia 19 de dezembro de 1968 o Atletico representou a seleção brasileira em um amistoso vencendo a forte seleção da Iugoslavia por 3x2. Mussula foi o goleiro.
 
 Seleção Brasileira representada pelo Atlético-MG em 1968. Em pé: Vander, Grapette, Vanderley, Mussula, Normandes e Décio Teixeira. Agachados: Ronaldo, Amauri, Vaguinho, Lola e Tião. Técnico Yustrich
 
 

Vanderlei , Mussula e Cincunegui - Os tres fizeram parte do grupo campeão brasileiro de 1971




ATLÉTICO 2 X 1 SELEÇÃO BRASILEIRA

Local: Mineirão
Árbitro: Amílcar Ferreira (RJ)
Auxiliares: José de Assis Aragão (MG) e José Alberto Teixeira (MG)
Público: 71.810 pagantes
Renda: NCr$ 575.810,00

Atlético
Mussula; Humberto, Grapete, Normandes (Zé Horta) e Cincunegui (Vantuir); Oldair, e Amauri (Beto); Vaguinho, Laci, Dario e Tião (Caldeira)
Técnico: Iustrich

Seleção Brasileira
Félix; Carlos Alberto, Djalma Dias, Joel e Rildo (Everaldo); Piazza e Gerson (Rivelino); Jairzinho, Tostão (Zé Maria), Pelé e Edu (Paulo César)
Técnico: João Saldanha.




Mussula jogou 168 partidas pelo Atletico levando 156 gols. Sua ultima partida foi na vitoria do Atletico por 2x1 sobre o Flamengo no dia 29 de Novembro de 1973.


sábado, 5 de janeiro de 2013

Tributo a Mazurkiewicz


Morreu, na quarta-feira dia 2 de janeiro de 2012, em Montevideu, no Uruguai, um dos maiores goleiros da história do futebol.
Ladislao Mazurkiewicz disputou três Copas do Mundo e se destacou no Mundial do México, em 1970. Nas semifinais, contra o Brasil, dois lances acabaram entrando para a história do futebol. No primeiro, foi driblado por Pelé, que acabou chutando a bola para fora. No segundo, Mazurkiewicz cobrou mal um tiro de meta e quase foi surpreendido. O Brasil ganhou por três a um e Mazurkiewicz foi eleito o melhor goleiro da Copa.
Para o soviético Lev Yashin, o 'Aranha Negra', considerado o melhor goleiro da história, o uruguaio era o seu sucessor.
Ele também foi ídolo da torcida do Atlético Mineiro, onde jogou por três anos. Mazurkiewicz tinha 67 anos e estava internado há uma semana por causa de problemas respiratórios.




 Contratado em dezembro de 1971, antes mesmo de o time conquistar o Campeonato Brasileiro, Mazurkiewicz estreou somente em março do ano seguinte, aos 27 anos, e deixou o clube em 1974, depois de disputar 89 partidas com a camisa do Galo, com 67 gols sofridos.

A estreia foi contra o Olimpia, do Paraguai, no Mineirão, pela Copa Libertadores, em 5 de março. “A grande atração desta partida internacional é a estreia de Ladislao Mazurkiewicz com a camisa número 25 (foi o último inscrito) do Atlético”, anunciou o Estado de Minas daquele dia. O uruguaio, que ganhou a posição de Renato, campeão brasileiro, fez uma grande defesa que garantiu o empate sem gols. “Mazurkiewicz jogou o suficiente para garantir o empate por 0 a 0 , mas o Atlético, outra vez, não soube vencer”

 “Seu custo em dinheiro nos últimos 18 meses foi um dos mais altos do futebol brasileiro. Entre luvas, salários, preço do passe (90 mil dólares, pagos ao Peñarol) e prêmios, sem contar os encargos trabalhistas e despesas com alimentação, transporte e material esportivo, o Atlético gastou com ele Cr$ 659.900,00, o que supera tudo que foi gasto com os maiores jogadores de nível médio em todo o Brasil”.




Em 1973 e em 1974, Mazurkiewicz atuou, respectivamente, em 29 e 28 jogos pelo Atlético, mantendo a média de participação nas partidas do clube em pouco mais de 35%. Seu último jogo foi o clássico contra o Cruzeiro, em 8 de setembro, em amistoso no Mineirão que terminou empatado por 1 a 1.


 Se não foi uma passagem tão brilhante como se esperava de um dos maiores goleiros na historia do futebol mundial, tambem não foi nenhum desastre. É que pelo invetimento e potencial todos esperavam sempre uma defesa fantastica, um voo cinematografico ou como se ele fosse ser sempre perfeito. De qualquer maneira "Mazurca" como era carinhosamente chamado escreveu seu nome na historia do Atlético.



Tributo a Alex Alves


O atacante Alex Alves, de 37 anos, que fez sucesso por vários clubes brasileiros, morreu às 8h40 da quarta-feira dia 14 de Novembro de 2012 no Hospital Amaral Carvalho em Jaú (SP). Ele fazia tratamento no local contra uma doença na medula que atrapalhava a produção de sangue, chamada hemoglobinúria paroxística noturna. A doença se manifestou em 2007, mas só em setembro deste ano ele foi internado para o tratamento e chegou a fazer um transplante de medula em outubro, cujo doador foi o irmão. Mas não apresentou evolução após o procedimento e a causa da morte foi "doença do enxerto contra o hospedeiro aguda", que é uma forma de agressão da medula do doador contra o órgão do receptor. Essa agressão atingiu pele, fígado e intestino.

Alex Alves jogou pelos dois clubes, Cruzeiro e Atlético . Porem foi na Raposa que ele se destacou e viveu talvez a sua melhor fase na carreira.O atacante Alex Alves foi um dos reforços contratados pelo Cruzeiro para a temporada de 1998. A diretoria cruzeirense pagou US$ 2,75 milhões pelo passe do jogador, junto a Portuguesa e ainda cedeu Da Silva ao time paulista. Alex Alves fez muitos gols usando sua velocidade e nas comemorações sua marca registrada, o golpe de capoeira no ar, chamado de parafuso.



 Alex Alves foi o artilheiro do Cruzeiro e o vice do brasileiro em 1999 com  22 gols. Este recorde só foi quebrado com Alex em 2003.


Alex Alves disputou 115 jogos com a camisa do Cruzeiro e marcou 54 gols , quase um gol a cada duas partidas.


Sangue azul



Paixão em preto e branco



sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Galo x Raposa 1976 - Timaços Inesquecíveis

Nos anos 70, Galo e Cruzeiro montaram verdadeiros esquadrões recheados de craques e títulos. O Atlético formou seu time campeão nacional  e o Cruzeiro formou o campeão da América. Na segunda metade da década entretanto, o Galo e Raposa possuíam duas verdadeiras máquinas de fazer gols. Havia contudo, um contraste de gerações. O Cruzeiro chegava "envelhecido" do time que surgira com o Mineirão dos anos 60, com um penta , um tetra mineiro e uma Taça Brasil nas costas. O Galo vinha "renovado" com uma geração que começava a brilhar e que decidiria nos anos seguintes, duas finais de brasileiro e a conquista de um hexa mineiro. Neste encontro de gerações, o confronto foi tão equilibrado, que o Galo levou a melhor no campeonato estadual de 76 e a Raposa papou o campeonato do ano seguinte. Neste mesmo período 76/77 o Cruzeiro faturou a Libertadores da América e o Galo encantou o país com uma campanha invicta no nacional de 77, mesmo com a perda do título no jogo final.


ATLÉTICO 76: Modesto, Getúlio, Cerezo, Ortiz, Alves e Vantuir; Marinho, Danival, Reinaldo, Paulo Izidoro e Marcelo.



ATLETICO 1976 - Esta foi outra formação do time no mesmo ano. - Zolini, Getulio, Toninho Cerezo, Marcio,Vantuir, Flavio,Agachados: Cafuringa, Reinaldo, Campos, Danival , Paulinho



Plantel do Atlético em 1976 com quase um time inteiro vindo das categorias de base comoJoão Leite, Getulio, Danival, Toninho Cerezo, Reinaldo, Marinho, Heleno, Angelo e Paulo Isidoro 



CRUZEIRO 1976 - Darci Menezes, Nelinho, Morais, Ze Carlos, Raul e Vanderley. Agachados: Roberto Batata, Eduardo, Jairzinho, Palhinha e Joãozinho. Este time conquistou a Taça Libertadores da América tendo o artilheiro do torneio Palhinha com 13 gols e o vice Jairzinho com 12 gols.


CRUZEIRO 1976 - Outra formação usada no campeonato mineiro - Nelinho, Morais, Osires, Valdo, Vanderley e Raul. Agachados: Silva, Eduardo, Jairzinho, Palhinha e Joãozinho







GRANDES JOGOS E GRANDES PÚBLICOS. MASSA ATLETICANA E CHINA AZUL  LOTAVAM SEMPRE SEUS JOGOS NO MINEIRÃO, E EM DIA DE ATLÉTICO X CRUZEIRO ENTÃO, A CIDADE PARAVA E MAIS DE 100 MIL PESSOAS LOTAVAM AS DEPENDÊNCIAS DO GIGANTE DA PAMPULHA PROPORCIONANDO UM ESPETÁCULO À PARTE.

























quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Clássico de numero 50 em campeonatos brasileiros

Atlético x Cruzeiro farão neste domingo dia 26 de Agosto de 2012 o jogo de numero 50 em campeonatos brasileiros. Considerando apenas o Brasileiro iniciado em 1971, ja foram conquistadas 17 vitorias de cada lado e mais 16 empates num equilibrio impressionante. Não fica por aí os incriveis numeros deste confronto: cada clube fez 62 gols no rival durante este periodo. Se considerarmos o Roberto Gomes Pedrosa realizado de 1967 a 70 serão duas vitorias a mais para o Cruzeiro e uma vitoria a mais para o Atletico, alem de dois empates. Os cruzeirenses fizeram 8 gols contra 4 dos atleticanos. Pela antiga Taça Brasil os dois clubes nunca se enfrentaram .

O primeiro jogo entre eles por um torneio nacional aconteceu no dia 05 de Março de 1967 pelo Roberto Gomes Pedrosa. O Cruzeiro que era até então o campeão brasileiro pois havia vencido no ano anterior (66) não tomou conhecimento do rival. Aplicou uma sonora goleada por 4 x 0 com 2 gols de Evaldo, 1 de Natal e o outro de Wilson Almeida. Era a maquina azul que teve esta escalação: Raul, Pedro Paulo, Celton, Procopio e Neco; Piazza (Zé Carlos) , Dirceu Lopes e Tostão; Natal (Wilson Almeida) , Evaldo e Hilton Oliveira.

1967 - Na foto aparecen Zé Carlos com a camisa 15 pois entrou no segundo tempo, Tostão dominado a bola com a 8 e Evaldo arrancando com a 9. Ao fundo vemos o goleiro Helio, o zagueiro Normandes, Vanderley coma camisa 5 e Paulista coma 14


No ano seguinte o Atletico conseguiu a sua primeira vitoria vencendo por 1 x 0 gol do ponta direita Vaguinho. O Atletico nesta partida teve a seguinte formação: Mussula, Humberto, Grapete, Normandes e Cincunegui; Vanderley, Amauri Horta e Ronaldo (Oldair); Vaguinho, Lola e Tião.

No primeiro ano do chamado campeonato brasileiro em 1971 e que terminou com o Atlético se sagrando campeão a partida terminou empatada por 1x1.
No ano seguinte (72) novo empate , desta vez em 0x0. A rivalidade começava a ultrapassar as fronteiras de Minas Gerais e novamente em 73 outro empate por 0x0. O clássico era então apresentado a todo Brasil, mostrando qualidade, garra, rivalidade e muito equilibrio.

1973 - Claudio Mineiro, Lola e Vanderley tentam conter Palhinha e Baiano


Já em 1974 , masi precisamente no dia 23 de Março começava a surgir um jovem talento chamado  Reinaldo. Logo no primeiro confronto em campeonatos brasileiros ele deixou seu gol ajudando o Atletico a vencer por 2x1 .
1975 termina com um empate por 2x2 gols de Roberto Batat e Nelinho de falta para o Cruzeiro empatando Danival e Paulo Isidoro.
Já em 1976 ano em que o time do Cruzeiro havia conquistado a Libertadores e o Atletico com uma geração de craques formados na base e que haviam conquistado o titulo mineiro, não tiveram chance de fazer um tira teima no Brasileiro pois não se enfrentaram.


No dia 6 de Novembro de 1977 o Atletico venceu por 1x0 com um gol fe falta do zagueiro Marcio.

1977 - Reinaldo disputa a bola com Nelinho sob os olhares de Angelo e Flamarion. Erivelto está caido tentando desarmar o habilidoso atacante atleticano.


No campeonato brasileiro de 1978 a primeira partida foi exatamente o clássico mineiro. Este campeonato seria disputado em dois turnos.  Com um publico presente de 98.778 pagantes o Cruzeiro saiu na frente com um gol de penalti convertido por Nelinho aos 23 minutos do primeiro tempo. Ziza empatou aos 43 e Reinaldo no final do segundo tempo (40 mins) deu a vitoria ao Atletico por 2x1.

1978 - Reinaldo chega antes de Zezinho Figueroa e faz o gol da vitoria aos 40 do segundo tempo.


No jogo do returno o troco do time celeste com a vitoria por 2x0 com dois gols do impossivel ponta esquerda Joãozinho aos 21 e 43 minutos do segundo tempo.

No Brasileiro de 1979 empate por 1x1 gols de dois genios do clássico, Reinaldo e Joãozinho.
Entre os anos de 1980 até 84 não houve confrontos entre Atletico e Cruzeiro pelo campeonato brasileiro. O primeiro confronto dos anos 80 aconteceu no dia3 de Março de 1985 com vitoria atleticana por 2x0. Nelinho pela primeira vez fez um gol de falta no seu ex clube pois em 1982 se trasnferiu para o Atletico. No jogo do returno um clássico emocionante com eder abrindo o placar aos 29 minutos . Tostão II empatou logo depois aos 35 minutos e Edu fez o gol da virada cruzeirense aos 14 do segundo tempo.Aos 36 Marcus Vinicius deixa tudo igual e quando parecia que a partida terminaria empatada Edu cobrando penalti aos 45 do segundo tempo decreta a vitoria celeste.


No Brasileiro de 1987 os dois times se encontraram pelas quartas de final. Foram dois empates sendo na primeira partida por 0x0 e publico de 94.381. Já na segunda novo empate  em 1x1 diante de 90.190 pagantes e gols de Renato para o Atletico e Douglas para o Cruzeiro. Por ter feito melhor campanha na fase anterior o Atletico seguiu a diante com o Cruzeiro sendo eliminado.
No Brasileiro de 1989 uma vitoria cruzeirense por 1x0 .
30 de Setembro de 1990 e a vitoria do Atletico por 2x0 com 77.419 pagantes.
17 de Fevereiro de 1991 e empate por 2x2.
29 de Março de 1992 e vitoria do Atletico por 2x0.

23 de Outubro de 1994 e nova vitoria atleticana desta vez por 1x0 com gol de Reinaldo.
12 de Outubro de 1995 e o Atletico vence por 2x0.
No clássico do Brasileiro de 1996 o Cruzeiro venceu por 2x1 com dois gols de Palhinha. O primeiro de penalti sobre Taffarel.O Mineirão recebeu  um publico de 87.649 pagantes.
.

Já em 1997 o Cruzeiro vinha de um bicampeonato da Libertadores eesperava confirmar sua boa fase no brasileiro. Porem no clássico contra o rival o que se viu foi muita determinação e raça do lado alvinegro. Vitoria por 2x1 com dois gols de Valdir Bigode contra um de Marcelo Ramos.



sexta-feira, 18 de maio de 2012

CARLINHOS "Sabiá"


Carlinhos foi um habilidoso ponta direita do Cruzeiro. Rápido , tinha grande facilidade em chegar a linha de fundo e cruzar para os atacantes. Formou com Nelinho uma grande ala direita até a saida do lateral para o rival Atletico. Carlinhos conquistou apenas o titulo de campeão mineiro em 1984. Pegou uma das piores fases do clube mas foi peça fundamental na vitoria por 4x0 sobre o Atletico em 1984 quando fez um dos gols.

DANIVAL


Danival de Oliveira, mais conhecido como Danival, foi um volante revelado nas categorias de base do Atlético. Chegou ao grupo principal em 1970 e permaneceu até o início de 1972, quando foi emprestado ao Nacional de Manaus. Em 1973, voltou ao Galo e jogou até 1978. Em 300 partidas disputadas com a camisa alvinegra, marcou 59 gols e conquistou 6 títulos. Conquistou o campeonato mineiro em 1976 e 78 e o vice campeonato brasileiro em 1977.
Jogador extremamente tecnico e com otima visão de jogo no meio campo. Formou com Toninho Cerezo, Angelo e Heleno um dos melhores meio campos da historia do Atletico.


Gol contra o Cruzeiro.
http://youtu.be/XO82u9A7U9U

terça-feira, 13 de março de 2012

Nelinho x Éder - O "terror" dos goleiros adversários

Houve um tempo em que Minas Gerais tinha o privilégio de ter dois dos maiores chutadores do futebol brasileiro nos seus maiores clubes. Galo e Cruzeiro tinham nada mais e nada menos que duas feras, craques e titulares nas seleções brasileiras. Nelinho começou a brilhar na Raposa no início dos anos 70. Nas Copas de 74 e 78 foi titular absoluto da seleção canarinho, marcando seu nome com grandes atuações e golaços como contra a Polônia de falta e o  gol "espírita" contra a Itália na decisão do 3º lugar em 78. Éder foi um dos protagonistas de uma das maiores seleções brasileira de todos os tempos. Ajudou a fazer história num escrete recheado de craques e belos gols como na estréia contra a União Soviética e outro genial contra a Escócia na primeira fase da Copa 82. Os "deuses do futebol ", infelizmente, não permitiram que eles fossem campeões mundiais, mas estão pre sempre na memória da torcida brasileira e principalmente no coração da "Massa Atleticana" e da "China Azul". Vieram atuar e brilhar juntos no Atlético de 1982 a 1985. Éder brilhou também no Cruzeiro no ano de 1993, quando na conquista da primeira Copa do Brasil do time celeste.



REVISTA PLACAR DE 1981 - Duelo dos craques


                                       ÉDER NO BRASILEIRÃO DE 1980


NELINHO RECEBE DE JUCA KFOURI A BOLA DE PRATA EM 1979

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

CRUZEIRO BI CAMPEÃO 2004


CAMPANHA

CRUZEIRO 0 x 1 VALERIO

Motivo:
 1ª rodada Campeonato Mineiro
Data: 24/1/2004
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Público: 10.897 pagantes
-----------
CALDENSE 1 x 0 CRUZEIRO

Motivo:
 2ª rodada Campeonato Mineiro
Data: 28/1/2004
Local: Estádio Ronaldo Junqueira, em Poços de Caldas (MG)
Público: 7.200 pagantes
------------
GUARANI 2 x 5 CRUZEIRO

Motivo:
 3ª rodada Campeonato Mineiro
Data: 1/2/2004
Local: Estádio Farião, em Divinópolis (MG)
Público: 6.600 pagantes
--------------
CRUZEIRO 2 x 2 AMÉRICA-MG

Motivo:
 4ª rodada Campeonato Mineiro
Data: 7/2/2004
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Público: 21.563 pagantes

Rivaldo e Alex

CRUZEIRO 5 x 0 RIO BRANCO

Motivo:
 5ª rodada Campeonato Mineiro
Data: 14/2/2004
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Público: 5.437 pagantes
--------------
MAMORÉ 1 x 7 CRUZEIRO

Motivo:
 6ª rodada do Campeonato Mineiro
Data: 21/2/2004
Local: Estádio Waldomiro Pereira, em Patos de Minas (MG)
Público: 4.419 pagantes
---------------
CRUZEIRO 0 x 0 UBERABA

Motivo:
 7ª rodada do Campeonato Mineiro
Data: 25/2/2004
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Público: 2.732 pagantes
---------------
ATLÉTICO-MG 5 x 3 CRUZEIRO

Motivo:
 8ª rodada do Campeonato Mineiro
Data: 29/2/2004
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Público: 59.999 pagantes
---------------
SOCIAL 0 x 3 CRUZEIRO

Motivo:
 9ª rodada do Campeonato Mineiro
Data: 3/3/2004
Local: Estádio Ipatingão, em Ipatinga (MG)
Público e renda: não informados
--------------
CRUZEIRO 4 x 0 VILLA NOVA

Motivo:
 10ª rodada do Campeonato Mineiro
Data: 6/3/2004
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Público: 17.173 pagantes
--------------
CRUZEIRO 2 x 0 URT

Motivo:
 11ª rodada do Campeonato Mineiro
Data: 13/3/2004
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Público: 12.059 pagantes
---------------
TUPI 1 x 2 CRUZEIRO

Motivo:
 12ª rodada do Campeonato Mineiro
Data: 21/3/2004
Local: Estádio Mário Heleno, em Juiz de Fora (MG)
Público: 9.488 pagantes
---------------
CRUZEIRO 2 x 0 IPATINGA

Motivo:
 13ª rodada do Campeonato Mineiro
Data: 28/3/2004
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Público: 8.797 pagantes
------------
CRUZEIRO 2 x 1 AMÉRICA-MG

Motivo:
 Primeira partida das semifinais do Campeonato Mineiro
Data: 1/4/2004
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Público: 26.199 pagantes
------------
América-MG 1 x 4 Cruzeiro

Motivo:
 Segunda partida das semifinais do Campeonato Mineiro
Data: 4/4/2004
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Público: 20.374 pagantes
-------------
CRUZEIRO 3 x 1 ATLÉTICO-MG

Motivo:
 Primeira partida das finais do Campeonato Mineiro
Data: 11/4/2004
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Público: 38.350 pagantes
-------------
ATLÉTICO-MG 1 x 0 CRUZEIRO

Motivo:
 Segunda partida das finais do Campeonato Mineiro
Data: 18/4/2004
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Público: 45.212 pagantes

CRUZEIRO BI CAMPEÃO 2003/04

Time base - Gomes; Maicon, Marcelo Batatais, Edu Dracena e Sandro; Augusto Recife, Maldonado, Wendell (Rivaldo) e Alex (Márcinho); Jussiê e Schwenck (Lima).
Técnico: Paulo César Gusmão.