Total de visualizações de página

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

A morte de Roberto Batata - O dia em que Belo Horizonte parou

O atacante começou jogando em um time amador do Banco Real mas logo foi parar no Cruzeiro onde foi apelidado pelo então técnico da época, o treinador João Crispim, de Batata graças a sua maior paixão: batatas fritas!

O craque foi tetracampeão mineiro, entre os anos de 1972 e 1975 e fez parte daquele histórico time que ganhou a Libertadores em 1976, jogando ao lado de Nelinho, Piazza, Raul e Palhinha. Mas infelizmente o atacante não pode sentir o gosto de levantar a taça graças a uma fatalidade ocorrida dois dias após um jogo contra o Alianza Lima, do Peru.

 Roberto veio em 1971, após a saída de Natal para o Corinthians e logo que chegou mostrou à china azul que podia substituir o Diabo Loiro a altura. Era costume ele ser reconhecido o melhor jogador em campo até mesmo pelos adversários, como ocorreu em seu último jogo. O Cruzeiro venceu o Alianza, fora de casa por 4 a 0, um desses gols marcados por Batata. Dois dias depois o jogador faleceu no quilômetro 182 da rodovia Fernão Dias, quando viajava para visitar sua esposa, Denise, e seu filho, então com apenas 11 meses de idade, Leonardo, o destino final seria a cidade de Três Corações. Seu corpo foi velado na sede do clube e teve a participação de vários torcedores que lhe prestaram as últimas homenagens. Belo Horizonte parou para seu velorio e mesmo torcedores atleticanos foram prestar sua homenagem e respeito ao grande ponta direita.A Federação Mineira decretou luto oficial e suspendeu duas rodadas do campeonato estadual.



 

Gols pelo Cruzeiro: 125 gols em 286 jogos
Nascimento: 24/07/1949, em Belo Horizonte
Morte: 13/05/1976
Posição: Atacante (ponta direita)
Quando jogou pelo Cruzeiro: Entre 1971 e 1976
Títulos pelo clube: Campeonato Mineiro de 1972/1973/1974 e 1975, além da Copa Libertadores de 1976
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.